COORDENADORA DE MEDICINA DA UNB DEIXA CARGO APÓS EXIGÊNCIA DO PASSAPORTE DA VACINA CONTRA COVID-19

Selma Kuckelhaus diz que faz parte do grupo de servidores não imunizados e que está 'em desacordo com gestão'. Conselho de Administração (CAD) da instituição aprovou obrigatoriedade do comprovante nesta quinta-feira 27, em todos os prédios.

A coordenadora da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB), Selma Kuckelhaus, deixou o cargo após a instituição aprovar a exigência do comprovante de vacinação contra Covid-19 em todos os prédios. Em nota, a professora diz que faz parte do grupo de servidores não imunizados e que ficou em “desacordo com a gestão”.

A decisão de exigir o comprovante de vacinação completa para entrada em qualquer prédio da instituição foi tomada na quinta, em reunião do Conselho de Administração (CAD) da UnB. A medida entra em vigor em 15 dias.

Em nota, a UnB afirma que “permanece guiada pela ciência e a democracia, preservando vidas” e que docentes em cargo de coordenação de curso podem deixar a função por decisão própria. “No cumprimento de sua missão, a UnB orienta que, além da adoção dos protocolos de segurança, toda a população esteja vacinada”, disse.

No texto divulgado pela professora, ela diz que é “sensível ao momento pandêmico”, mas alega que a segurança e eficácia da vacinação “suscitam inúmeros questionamentos”. Especialistas e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no entanto, descartam essa tese e asseguram que os imunizantes são seguros, testados e eficazes.

A Faculdade de Medicina da UnB, inclusive, participou dos testes com a CoronaVac, ainda em 2020. Os estudos na capital foram coordenados pelo atual diretor da unidade, Gustavo Romero.

Selma afirma que considera o passaporte obrigatório uma “incongruência”, já que há pessoas que se recuperaram da Covid-19 e têm “imunidade natural”. Entretanto, há casos comprovados de reinfecção pelo novo coronavírus, inclusive no Distrito Federal, e estudos mostram que pessoas que se infectaram ainda transmitem o vírus.

“Sou árdua defensora das liberdades individuais”, afirma na carta.

Comprovante de vacinação

A proposta para exigência do comprovante de vacinação foi aprovada com 47 votos favoráveis e duas abstenções. Segundo o texto, as unidades acadêmicas e administrativas, “quando estritamente necessário, podem deliberar por não permitir a participação em atividades específicas, executadas fora da Universidade, como estágios, trabalho de campo e viagens, daqueles que não estejam completamente vacinados contra Covid-19”.

Comentários

Postagens mais visitadas