quarta-feira, 7 de março de 2018

Por 116 votos a 100, professores da Uern decidem manter paralisação

BLOG DO CÉSAR SANTOS
Os professores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) decidiram, em votação apertada, manter a greve que chega hoje a 118 dias. Em assembleia realizada nesta quarta-feira (7), na sede da Associação dos Docentes (ADUERN), o movimento foi decidido por 116 votos a 100.
Segundo o comando de greve, a decisão da categoria confirma o sentimento de luta e de resistência, uma vez que o Governo do Estado não mostra-se empenhado para solucionar o problema dos salários atrasados.
Além da discussão sobre o movimento grevista, a categoria também avaliou a situação do auxílio saúde e as mudanças propostas pela gestão da universidade para o benefício.
A greve da Uern foi iniciada no dia 10 de novembro de 2017. Os professores apresentaram como única reivindicação a atualização do calendário de pagamento salarial. A categoria vem recebendo em atraso desde janeiro de 2016.
No primeiro momento, a greve ganhou o reforço dos servidores da saúde do RN, que se juntaram em movimento unificado. Em dezembro, os técnicos administrativos resolveram aderir à paralisação.
Em fevereiro, os servidores da saúde decidiram voltar ao trabalho. O sindicato da categoria, o Sindsaúde, entendeu que o governo havia praticamente atualizado os salários, por isso, a principal reivindicação estaria atendida.
Os professores da Uern decidiram diferente. O movimento foi ratificado há 15 dias, quando o comando se reuniu com representantes do governo que não apresentaram proposta, nem deram previsão de quando o estado teria condições de formatar um calendário de pagamento, devido à crise financeira.
Com a decisão de hoje pela continuidade da greve, o Governo do Estado estuda a possibilidade de pedir na Justiça a ilegalidade do movimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário